café e dores

café e dores

domingo, 15 de junho de 2014

Meu coração quebrou na estrada

A rodovia 510 está deserta porque nós não viajamos de mãos dadas, eu não explorei com a língua o céu da sua boca pois tive medo de me perder naquela imensidão. Quando o vento retorna e bagunça seus fios tímidos, sinto que valeu a pena nossa viagem, minha alma se arrepia porque bagunçado você me parece mais autêntico. Os cabelos retratam a sua personalidade, seu astral. Você consegue perseguir com os olhos o cheiro da noite ou só tem olhos para o meu decote? Em Laranjeiras a festa na vila toca o suicídio de Nirvana, bordei seu sorriso em meu vestido de renda para dançar a noite inteira ao som de uma risada cansada, sacana, cotidiana.

Manobrei suas intenções até a minha casa, abandonei a festa, o carro quebrou no vazio, zombei da sua covardia e o suor da minha ousadia molhou seu peito inseguro. Hoje o sábado leva o nosso codinome, não me arrependo de voltar à pé para casa.

3 comentários:

  1. Gostei do texto tem aquela coisa de diário, com bastante liberdade e elegância na escrita muito bom ler o que vc escreve, me inspira :)
    Um grande abraço o/

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Gyzelle.. a cada leitura uma surpresa.. e como ma língua no céu da boca faz estragos.. muito prazerosos por sinal que não entrar em detalhes .. sobre a parte do decote.. ficou muito sensual.. geralmente o homem tende a olhar para bunda e peito porém eu enquanto estiver respirando vou olhar para as mãos na busca das unhas francesinhas que tanto admiro.. ótimo texto e um ótimo dia moça querida.. abraços

    ResponderExcluir
  3. '' minha alma se arrepia porque bagunçado você me parece mais autêntico.''
    Quando venho aqui, sinto que eu escrevi tudo isso, porque é tão eu...

    Que conexão boa‼

    Escuta/assiste esse clipe... Uma das minhas canções preferidas e quando li teu texto toquei ela de fundo.

    https://www.youtube.com/watch?v=3YcNzHOBmk8&feature=kp

    ResponderExcluir