café e dores

café e dores

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Hoje sonhei poesia

Hoje eu sonhei com seus olhos
e a cor desse mundo insano não fazia sentido
através da vidraça da íris furta-cor
refleti os meus erros cotidianos
e padeço pelo vácuo de vida deixada para trás
a ponta pés gastos

No meu sonho a realidade pulsou seus lábios
procurando pelo grito de amor
mas as amídalas rompidas de medo
impediram a voz embargada
de rasgar o silêncio

Eu tive medo de acordar
mas quando fecho os olhos
o escuro amedronta os devaneios
enquanto a insônia canta choro
intacto de solidão

Hoje eu sonhei
e ao acordar quero morrer dormindo
para tocar suas maçãs
e alimentar uma ilusão doce
quero morrer e esquecer das lembranças
que martelam essa alma desgastada

No meu sonho eu tentei amá-lo
e consegui tão profundamente que acordada
esse calor chamusca as vértebras
desse corpo machucado
quero viver esse sonho interrompido
pela eternidade de uma lágrima 

Hoje as memórias estão doloridas e frígidas 
te vivo todas as noites sonhando
pra deixar de sofrer
a realidade de ter você 
somente dentro de um papel borrado
do vazio de saudade sentenciado 

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Filme de despedida

Imploro que não se
despeça de mim
eu sou um trauma
de infância
e não sei
lucrar com despedidas

Não mereço perdões fictícios
pois tu formado
num teatro
teu diploma é a morte
da esperança

Teu terno de linho
enrosca meu suor sofrido
baile barato de esquina:
conquista
castidade perdida

Guerra por nirvana
teu coração bomba
tratado rota duvidosa
sagaz e ordinária
labirinto lucidez

Se for embora
rogo com fúria
não faça despedida
teu drama ganhou prêmio
tu é o pior roteirista