domingo, 26 de agosto de 2018

Foed as Chammas no céu, tua assinatura lambendo o papel

No tamanho dos meus próprios sonhos, Vou riscando a felicidade, talvez a velocidade seja de um cometa Harley oh Daryl i”m so dark dessas línguas presas no céu de fogos.

Descubro as pastas, divido o mistério entre aquilo que era seu e aquilo que te deram, e muitos escreveram a ti, as cartas, dizia delas e as guardava? Não sei se foram todas, Mas as encontrei na pasta azul de elástico frouxo

Até que um tanto esotérico, e que fazia magia com as palavras. Era possível que te encontrasse só depois mas te achei no exato momento de abrir teus passos/passado/que nunca vivi, Mas pude reviver

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

neopósultracontemplativa

uma gota de vácuo me invade com a delicadeza de uma transmissão de rádio

sintonizo as tantas vezes
que me peguei
de repente
alheia
à toda imagem
à luz do instante

recordo minha face
nesses instantes
raramente recordo
quem fui
e corro ao espelho
reconhecer
uma nova versão
amiúde
meu sintoma

desaprendo
a existir
existo
e isso não anula o fato
de reprisar a morte
e acho que é puramente pelo fato
da existência se opor à

há vezes a gente confundindo a dor das gazes com o vazio intermitente

e quando soa o ronco de volta
à sobriedade
lançamos copos e dardos
assim inconformados
que chegue alguma hora
somente indício
à realidade

isso não anula o fato
de contemplar serena
desapontada
meu retumbante estado
instaurado no verso de agora
o seguir das horas líquidas
[Bauman diria que é estado de permanência
mas sou eu mesma que estou dizendo]

enquanto escrevo
esse poema
de memória
penso talvez
tenha pensado escrever
sobre os litros do boteco
d'aguardente
convocada
pelo mundo
gritando
estar cheio
e eu encharcada
literalmente

Por Terra

fomos mal recebidos. fico sem saber o que dizer, outro dia me disse o menino que era impossível Onde? não me diga isso menino. você é um menino ainda, é que é impossível desconsiderar Onde? bem... fico sem saber direito, daí é que vou pro outro lado e acho que me sinto confortável, mas as vezes queria era sair feito louca, assim feito como falam por aí que são loucos varados. é que já saio feito louca. é que já sou, mas as pessoas ficam dizendo Onde? sei direito não. nada é assim tão bonito feito quando encontro na poesia um suspiro, quando olho pra cima e o teto todo brilha de cor alguma do dia. assim eu gosto de ficar, de cabeça pro alto, nas nuvens de teto a mirar, pra modo de interagir com o mundo. tá olhando Onde? devia ter olhado pra cima o homem quando se achava gigante, fez as guerras, querendo uma paz assombrosa, e recebeu um trono de lata, o homem é pequeno que mal cabe em si mesmo, quer invadir, quer tomar lugar e quando a gente abre Onde? os olhos! vê que foi mal recebido.

ainda bem que depois da chuva o céu abre infinito.

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Gosto

Gosto

Gosto do teu jeito de fazer poesia

Da poesia em tu

 

Gosto do teu cabelo leãozinho

sob o Sol ou sob o teto colorido

 

Ainda gosto mais quando vejo a poesia tua boca

dizendo cores que não sei são quentes/frias

não sei dizer o que gosto mais

 

Mas gosto da poesia em ti

 

Toda hora do poema bom ao ruim

mesmo sabendo que tua poesia é boa

e eu sei lá de poesia ruim

mas quando falo de você

é tão bom quanto poesia boa

 

E te escrevo um poema espero estar bem

pra dizer que bom te ler e te ouvir e te descobrir na poesia

 

Todas as cores de um poema pro fim da tarde

de todos os gostos

tua poesia letárgica

enquanto o Sol a gente sabe se lá onde nasce o Sol

 

Mas todo dia a poesia quente e fria e tua boca adormecida

falando poema como quem descobre uma nova cor

 

Gosto do seu tom que rima

Gosto da métrica descobrindo espaço

 

Seu lugar no mundo

o poema teu gesto

gosto desse poema

teu feito pra ti por tu


quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Não são apenas teus olhos

Mas o jeito como se espreguiça por o sol dentro do Mar espelhado neles

O modo como vanguarda o jeito da rua, e os monumentos, o jeito de achar lugar Onde há?

Não são teus olhos só

Mas vendo-os oblíquos à estrada vejo que perdida é um sentido muito diferente do que se vê

Então se pergunto Onde? Olha só você diz

[Procuro lugar Onde não seja apenas teus olhos]

Ainda quero morrer de amor

Ainda escrevo cartas

Entro, os olhos, na janela

Espantei as muriçocas
com a fumaça
viajei viajando

Ainda danço
qualquer coisa
e ouço

Vi coisas que não tinha visto

Despi
Banhei

Tem dessas fumaças de energia

Tem muita coisa bonita
e o mundo

Tem dessas peculiaridades

Sabe o tumulto
na cabeça?

E quanto à gente
há tranquilidade?

Assim como se estivesse
fazendo um poema de amor

(Dormir em poesia)

Fazer bolo de chocolate
com coco

Água
no corpo

Que delícia
sentir a poesia

Durmo
acompanhada
sinto teu ronco

(Há fome de tudo)

O mundo cabendo na boca

domingo, 12 de agosto de 2018

Luar crescente

eu adoraria se você ousasse
feito se por descuido
descobrir minhas mãos
das luvas, apontando à teu coração
e se digo que ousas pensar
em atrever as mangas
colheríamos as doces
no quintal do silêncio precioso,
daríamos um carinho na pantera,
e as mãos carícias, dadas
que sequer descobrimos,
adoraria ver a cor do teu semblante
quando provasse as palavras
escorrendo dos cantos,
das orações, as mãos unidas
no alto de uma rocha vermelha
você adoraria o tom da tarde
quando formos embora depois
da primavera atordoada,
assim, desde que você ousasse
desnivelar a altura das realidades,
estaríamos de mãos nuas
acenando à Lua se pondo
dentro dos corações

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Tartarugas Ninjas

Falo de uma cisma de lidar com a poesia, digo, de pensar de um jeito poesia, de fazer poema, transar poesia, comer poesia, poesia dentro, de lado poesia, poder poesia.

E daí caia no poético. Acho que queriam que eu falasse científico, agisse concreta, corresse de algo, e eu ali afundando.

Mas sinto o corpo meditar, flutuando; digo afundo porque é lá que nós estamos.

"os heróis do boiero" depois vamos falar sobre as tartarugas ninjas. Pesquiso a profundeza do teu olhar

Poesia.

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Indefinível

Sonhei que me segurava
Por dentro dos braços

Talvez por medo que corresse
Mais pra dentro

Talvez dessa confusão
Da gente metido
Lá dentro

Sonhei que esquecia de beijar
Com a boca
Para provar teu sonho indefinido

E que riscava com os dedos
A ponta dos cabelos encarnados
Como se fosse um fósforo

Prestes a incendiar teus braços
Que me seguravam por dentro

E queriria de sonhares espremida
Viver de teus braços firmes

E pediria mais um minuto de sonho
Talvez fosse possível correr
Mais pra dentro

Se não fosse o calor da manhã
Espelhada em teu bom dia
Me lançando pra fora da cama