café e dores

café e dores

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Lascívia

Lamentar o inferno dos seus ombros
Seria revelar-me devota?

A primavera carregou nossa divindade
A tempestade das suas pestanas
Deixou escombros no afadigado peito meu

A demência já bate às transversais
Questiono-me se seus olhos zangados
Já não decoraram os meus sintomas incuráveis
E temo nossa despedida
Como um enfermo teme a morte

Devo insistir a perguntar quando a certeza da tragédia
Já meu deu o enredo desse nosso drama?
Não sou a Julieta de Shakespeare
Mas morro pela morte do amor de quem não me ama 

Sugar as minhas forças com o relevo das suas costas
Já não é um prelúdio de meu martírio?
Meu pecado é te amar tão febrilmente
Quando só seu desejo em mim me mantém viva em ti
Como um relicário, meu andarilho

3 comentários:

  1. Bom dia Gyzelle.. neste teatro chamado vida.. nem sempre vamos assistir só comédias.. as tragédias se fazem sempre presentes como o amor que bate a porta mas nunca quer entrar para ficar.. abraços poetisa

    ResponderExcluir
  2. Há algo único no amor como um rito, geralmente nesses compêndios e tomos antropológicos, no estudo comparativo de sociedades arcaicas ou modernas, lá está, fadado, os ritos de passagem, suas celebrações e sepulcros - mas o amor nunca passa, não sabe passar e, obsessivo, não quer saber que passe... essa insistência, a sua, a minha a do fulano que virá depois, até mesmo aquele, crítico e impassível que pensa ter adormecido; as paixões nos quebram o discurso que ontem parecia intacto e nem me parece uma mero repetir de nossas idéias e ventas, mas o próprio corpo adaptado, suando, em tremo, exalando aromas e salivas, desesperados e ansiosos para que nossos corpos se esbarrem em qualquer forma de contato para validar e, talvez, aprender a passar. O amor perturba
    o espaço e o tempo, confunde o sábio em seu exílio, esse conforto que é olhar tudo isto e aparentar solidão, que na verdade é o mundo inteiro.

    "Lamentar o inferno dos seus ombros / Seria revelar-me devota?" gosto da palava devoção porque não precisamos enunciar qualquer religião ou mito e nos leva, necessariamente a uma cumplicidade, uma dor e uma culpa que é feita de espera - esse outro enigmático que desdenha de nós em nossos espelhos...

    um abraço

    Carlos Drummond de Andrade - O Padre, A Moça [excerto]

    O padre furtou a moça, fugiu...
    e a moça vai dentro dele, é reza de padre.
    [...]
    ai que não ousamos
    contra vossos mistérios
    debater
    ai que de todo não sentimos
    contra vosso pecado
    o fecundo terror da religião.
    [...]
    o padre sabe
    o que não sabemos nunca, o padre esgota
    o amor humano.
    [...]
    Há um solene torpor no tempo morto,
    e, para além do pecado,
    uma zona em que o ato é duramente
    ato.
    [...]
    Por que Deus se diverte castigando?
    Por que degrada o amor sem destruí-lo?
    [...]
    a mão descobre
    o dormir de moça misturado
    ao dormir de padre.
    E já sem rumo prosseguem
    na descrença de pousar,
    clandestinos de navio
    que deitou âncora no ar
    [...]
    O amor se vinga, consome-os
    [...]
    E de tanto fugir já fogem não dos outros
    mas de sua mesma fuga a distraí-los.
    Para mais longe, aonde não chegue
    a ambição de chegar:
    área vazia
    no espaço vazio.

    ResponderExcluir
  3. Temos este azar de amar ou nos apaixonar por quem não está disposto pelo mesmo. Contudo, temos sorte por tudo ser passageiro, então vem o azul e nos tira dessa escuridão. E quando o azul se desbotar, virão outros tons de cores. milhares. bilhões e bilhões.

    ResponderExcluir