café e dores

café e dores

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Memórias I

Quero despedir-me desse amor
amor que me cobriu no frio
de madrugadas sombrias
espantando todos os medos vivos

Jogo fora as armas e armadilhas
eu deixo contigo a paz de um refugiado
e quero que você corra
que fuja desse mundo corrompido.

Sujo as mãos com o sangue que passou seus dedos
esta navalha de alumínio é minha cúmplice
deixo escorrer o desespero morno da derrota
eu perdi e foi você o que apostei
perdi para minha fraqueza
perdi milhões de vezes
e não me resta nada.

Desloco-me por essas ruas sujas e vazias
estou tuberculosa de solidão

O dedo está inchado e o anel deixado no baú
a senha é o dia do nosso noivado
os doces trouxeram cáries de paixão
e os passeios nas nuvens desgrenhadas serão memoráveis
você viajou sobre meu corpo delinquente
enquanto traguei suspiros quentes

Eu fui morfina para a sua vida dolorida
te viciei incansavelmente
e estou presa em um passado
onde os sonhos se desfizeram com inocência

Os filhos não foram gerados
grito mas a dor corta
as veias da garganta
estou condenada a silenciar-me

Foi bom e cinzento
o arrependimento não aparece nas palavras
talvez nos gestos
talvez na chuva que persegue meus passos vacilantes
e vou embora gripada
mais uma vez tropeçando nos soluços navegantes

A rosa que me deu está guardada dentro de um livro amarelado
onde as palavras esfarelam-se
num romance antigo com as pétalas ressecadas
O roteiro de nosso filme ganhou Oscar no verão passado
e hoje ele está esquecido
assim como você terá que fazer comigo
e com os planos falsamente editados.

terça-feira, 28 de maio de 2013

Café forte e poesia

O café soprando a saudade
Música nova tocava para ferir
Manhã quente,
Nublada com a vontade de chorar.

Cardápio borrado de palavras
Jogado na mesa com desprezo
Duas marcas de copos vazios,
Silêncio deixado pelo cappuccino.

Dois casais sussurrando ofensas banais
Ameaças durante golada doída
Nó na garganta, língua queimada
Água nos olhos e na relação.

Chega o pedido da menina sozinha
Blues, café forte e poesia
Ela reza baixo uma prece
Lê o jornal ''o amor e o calor''
Coloca o casaco de pele
Aquece as diversas faces da dor.

Um garçom de branco exibe a bandeja vazia
Anda pelos lados com agonia
Com giz nos dedos ele traça o cardápio:
Hoje teremos alegria.

Pensa,
Mentira.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Rocambole

Coloquei a música mais triste que tinha entre a poeira
E dancei conforme a melancolia pedia
Lembrei do nós
Esse apartamento pequeno não me cabe
Nos cabia
Éramos um
Eu era somente sua

Hoje sou inteira
Chata
E não mais compartilho chocolate de panela
Engordei
Devoro a sobremesa sozinha, deito e durmo
Durmo para esquecer
Não esqueço
Sonho com você

Última vez que te deixei no ponto de ônibus: céu limpo
Eu sabia era a última sexta do mês
Última vez que me daria sorvete e cheesecake

Agora só me resta o bolo aguado da padaria
Ou deliciar-me com poesia

Decido limpar essa bobeira
De amor complicado
Vou no mercado comprar sabão em pó
Volto com rocambole e pão de ló debaixo do braço

Prêmio dourado

Desfazendo de rancor o ódio escorre
De cegueira vil o homem se caracteriza
Os musgos crescem das folhas incrédulas

Aplauda esse bicho que você criou
Seja devorado por essa unanimidade

Atinge o auge do triunfo
Goza e não está satisfeito
Reclama no espelho por não ser perfeito
Pisa em cima das costas do irmão
Bate no peito da própria carne

Urubu que ganha prêmio da humanidade
Alimenta-se de suor roubado
Rouba sonhos e de insônia
Sofre
Sofre
Sofre
Sorriso e um terno impecavelmente alinhado

Ele está entre a sociedade
Conduz uma dama ao lado
Comprou com cheque dourado

Com amor é mais caro
Ele não pode comprar

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Serpentina

Pintou o rosto de cinza
Colocou vestido de bolinhas
Uma peruca escondia seus cachos
Fantasiou-se de palhaço

O carnaval estava no fim
O circo não tinha chegado
Serpentinas pelas ruas taciturnas
Cores em avenidas escuras 

Ele fazia as pessoas sorrir 
Nem a banda o tornava feliz
Dançava durante a noite 
Dormia enquanto o sol surgia
No escuro dizia-se contente
Caía na calçada com os olhos descrentes 

Apunhalado pelo amor
Pintou um coração na testa
Apunhalado pela vida
Pintou o rosto de tinta. 

Visita homicida

Seus pedidos podem virar uma tempestade inesperada

Jogou as chaves em cima da mesa de vidro como se o ato tivesse virado costume, deu alguns passos cansados e semicerrou os olhos ao ver aquela imagem pálida, rígida e arrumada diante de si, ou melhor, sentada em uma cadeira de balanço e gaguejou
-Massss, o que? o que faz aqui?

- Espero que não seja novidade-

Ela suspirou ardentemente, logo levou uma das mãos à boca e o ato que tinha sido extinto foi cometido, roeu as unhas enquanto se perguntava coisas que não caberiam colocar em pauta. A saliva desceu seca pela garganta deixando no ar um ruído constrangedor, logo decidiu retrucar
- Isso não é possível! Eu só...

Foi interrompida pelo barulho do copo de vidro cheio de gelo bater sobre a mesa, era ele, sempre muito petulante, deixou aquele sorriso mais branco do que o próprio invadir totalmente o rosto, soltou uma gargalhada que fez a cabeça pender para trás, mas voltando ao normal, encarou-a seriamente
- Eu só? Como pode estar só se eu, ilustre presença, estou aqui? Não diga mais nada, não faça-me perder a cabeça. Enfrentei dragões, muralhas e a força da terra para vir aqui e logo tenho a certeza que irá cooperar comigo. Por um longo tempo refleti se era sensato tirar de ti a escolha, contudo, meu ego que sempre foi gigante impulsionou-me e agora só resta a ti o sim.

Com os olhos arregalados ela deu um passo vacilante para trás, ela tinha incerteza de tudo neste universo, porém, de uma coisa ela não tinha... Esse homem pálido e prepotente estava morto e era seu falecido marido. Ele balançava-se calmamente enquanto observava o medo nos olhos dela, o sorriso irônico lançava na casa uma música de suicídio. Cenas do enterro dele a faziam suar por mais que estivesse um frio de congelar gafanhotos, com a voz embargada gaguejou novamente
- O que veio fazer aqui?

Ele levantou, ajeitou o terno preto e a resposta era mais óbvia para ela do que para a morte, tirando ela, a única coisa que ele possuía era essa névoa que saía de seus lábios sem cor
- Vim buscar o que é meu.

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Minha primavera a(dor)mecida

O sol gira em torno dos seus olhos
Olhos estranhos de tanta boniteza
E brinca com sua alegria momentânea
Ofertando-te uma dança da primavera.

Você é minha primavera!
E eu fiz um jardim em sua homenagem
Flores tolas e encabuladas.

Toca uma canção de ninar
E eu novamente sinto meu coração pulsar fortemente
Você sorri da minha embriagues de amor
E aparece borrachinhas azuis em torno desse sorriso de criança
Invejo-os com a força de um meteoro sem rumo.

A escuridão chega silenciosamente
Ela tem medo que você a rejeite e vomita estrelas incandescentes
E a lua aparece recitando um réquiem de morte
Mas toca gentilmente uma valsa e ela chama-te para bailar
Escuridão suicida-se no fim da madrugada
Enquanto toca as badaladas de um relógio sanguinário.

Apaixonei-me com pouca serenidade
E abandonando a filosofia da presunção suplico-te que fique
Confie nesse castelo de sonhos que tricotei nos dedos para você
Traçados durante as noites quentes e geladas
Noites que adoeceram-me.

Uma canção dormente entra navalhando pelas janelas a alma
Somos um espelho de uma vida penante
E serei enfermeira dos seus medos morfinados
Lamúria-se e beijo sua nuca suada de perfume amadeirado.

Você é sempre tão triste e cheia de névoa
Que sobre uma estrada efêmera eu almejo seu corpo débil
Fantasio uma cortina tênue de felicidade e peço que segure minhas mãos vazias
Pego-me cantando novamente breve canção de ninar
E faço sua dor adormecer.