café e dores

café e dores

sábado, 28 de junho de 2014

Dou-te a chance de partir inteiro

Desista de mim.
Desista como eu desisti e tenho desistido todos os dias
Minutos
Instantes ...

Não mire meus olhos assim com tanta candura
Deixe de sorrir ao me ver filmar o vento, as árvores, a mim.
Meus olhos estarão chorando a morte do leiteiro
O enterro de um amor fecundado por meras palavras tamanho 12

Veja bem os meus defeitos tão crônicos
E vire a próxima transversal antes de olhar para trás
Eu não tenho nada
Eu só faço histórias para não me sentir tão só.

Já navegou em águas traiçoeiras de um verão tempestuoso?
O meu amor é violento
A minha febre pela alma é insaciável
Eu não sei roubar pela metade

Desista de me procurar em cada poesia romântica
Nós sabemos que a minha rima é singular
O meu enredo é pouco harmônico
E o meu tempo é a despedida



4 comentários:

  1. Solidão... Só para fazer histórias.

    ResponderExcluir
  2. Que incisiva...

    ''Eu não tenho nada
    Eu só faço histórias para não me sentir tão só.''

    Sou parte desse clube, por isso o entendimento é recíproco.

    ResponderExcluir
  3. "Eu não sei roubar pela metade".
    Certamente, aquele que ama está disposto a tudo.
    A tudo dar, a tudo retirar.
    Não faz sentido hesitar em ir até a exaustão das coisas.

    Até a próxima, Gyz

    Izan'

    ResponderExcluir
  4. Bela poesia... Realmente não há companhia melhor do que as histórias que nós criamos, onde nossos personagens sempre representam um pouco de nós!

    ResponderExcluir