café e dores

café e dores

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Lapa

O perfume doce e francês sufocando meu tesão
A sandália dura tamborilando o chão de pedra
As transversais do corpo, as pálpebras dançarinas
Ah, o sorriso é um escândalo 
Tão minha, tão nossa, tão feminina 
Abre o meu apetite e a avenida 
O suor desvendando a maciez dos seios apertados 
Ela me flecha como uma lâmina com o olhar de meretriz 
Mas as bochechas ganham cor 
Ela se torna delicadamente uma donzela 
Meus dentes de vampiro querem sugar o mel dela
Ela atua em cima do meu desejo de malandro
A vodca aquece o sereno
Essa noite nos conheceremos
Cruamente 
No motel ou no chafariz 
Minha sina será tamanha que voltarei na próxima semana para perguntar:
Você vem sempre aqui? 

4 comentários:

  1. Bom dia querida poetisa.. descrição perfeita de provável encontro que se dá muitas vezes na nossa imaginação e quando é real é só um soprpo no vento.. pode nunca mais a vir existir.. abraços de bom dia

    Lapidando Versos

    ResponderExcluir
  2. Que envolvente se fez em leitura... Uma continuidade gostosa para se ler e, ao mesmo tempo, se imaginar.

    ResponderExcluir
  3. Cores fortes. Gostos intensos. Parecia
    uma dança tuas palavras.

    ResponderExcluir