café e dores

café e dores

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Existe amor até nós meus cabelos

A grama da praça está pisada, os cachorros fecharam o focinho e não ouço mais o choro por algum amor perdido pois não existe mais amor na praça.
Esse sol quer me ferir por ter saído com essas roupas pretas pelo luto ridículo de alma que não quer mais lutar.
Estou bebendo a mágoa de ser mais invisível do que a cor do álcool, costurando a cegueira desses olhos míopes de sanidade, padecendo por doutrinas não cumpridas depois das dez, por essa saia curta.
Falta um caminho curto, menos de um quilômetro para chegar ao seu coração, mas o trânsito dessa zona sul me deixa ao norte sem rumo algum
Os motoristas olham para mim, a janela não abre, e as orquídeas se tornaram raras. Tem alguém apagando as luzes do céu, mas um raio colorido ainda enfeita a palma da minha mão.
Existe amor pisado ao chão.
Existe amor nos meus cabelos pintados por tinta vermelha, e nas poesias existe alguém que eu sequer sei o nome inteiro
Há muitas metades pelas ruas, e quem parte é meu coração partido sem tomar partidos quanto a essa guerrilha que já entrei vencida

6 comentários:

  1. "Há muitas metades pelas ruas, e quem parte é meu coração partido sem tomar partidos quanto a essa guerrilha que já entrei vencida."

    Você traduz pra uma além-perfeição o que as gentes do mundo inteiro vivem. Perfeito!!

    Beijoo'o

    ResponderExcluir
  2. OI GYSELLE!
    MUITO BONITO TEU TEXTO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Você mudou o título, eu percebi!
    Tô de olho...
    ;)

    ResponderExcluir
  4. Existem mesmo. muitos nós em nós e é isso que nos faz fragmentos, quando nos pensamos inteiros. A flexibilidade entre entender e sentir todas as coisas, é o que nos mantém inteiros.
    Te amo, tu me ajuda a desenvolver o bom em mim.
    Saudações!

    ResponderExcluir