café e dores

café e dores

sábado, 1 de novembro de 2014

Estou suando lembranças que nunca existiram

Eu vou sair de cara limpa só para ver se você acredita nas linhas escritas do meu rosto que te condenam por um amor cansado
Essas marcas na face expressam seus verões torturantes
Você é todas essas folhas que se renovam mais verdes depois da seca
O chão empoçado de desordem, quente, abafado,
Por isso que te lembro enquanto evaporo no ônibus indo à faculdade

E tento te amar um pouco menos quando sinto atração por algum barbudo de olhos obscuros. Meu coração é noturno. Não consigo parar. A primavera quer morrer junto aos frutos maduros que caem antes de eu te devorar.
Mona lisa não tem mais mistérios, você consegue me enxergar através dessas lentes escuras de armação Ray-Ban fora de moda?
Já olhou no jornal que até no horoscópio o seu destino é navegar em minha maré? Quero te conservar em meus lábios místicos
Mas por enquanto apenas te enjaulo nessas poesias culpando-te por ser esse sol que escorre agora apagando meu sorriso

7 comentários:

  1. Olá, Gyzelle.
    Às vezes, muitas vezes, eu também tenho esse problema de "suar lembranças que nunca existiram". A poesia tem disso: consegue colocar em palavras o que de outra maneira não seria possível.
    Esta mistura de amor/desamor; raiva; desgosto e desespero, temperados de ironia numa escrita destemida, é fascinante.
    bom fds

    ResponderExcluir
  2. Gyzelle....
    Amor de poeta é isso mesmo assim....
    Suar lembranças sem existir, tentar de deixar de amar, deixar de tentar amar....
    Pois bem....culpe o mundo pelas tuas agonias...
    Mas as escreva aqui. A vida de poeta é assim. Sofrer por amor amar para sofrer e nunca deixar de revelar o teu interno.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Desencontros do amor. Muito belo, o texto...
    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde poetisa... posso só dizer que tu vais longe com tuas escritas..
    uma riqueza de detalhes sempre a vestirem teu ser buscando renomados encontros com o todo.. fique sempre bem abraços

    ResponderExcluir
  5. Há um momento em que temos ...deixar ir.

    Sob pena de nos tornarmos amargos e de vida presa ao passado.

    Perdoar, esquecer, recomeçar, amar-se, só verbos a conjugar, pensa nisso.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Não deixe de se condensar antes da primeira aula!!!

    Ótima semana pra você por aí...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Só esse título já me dói por milênios... ♥

    ResponderExcluir