café e dores

café e dores

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Retratos: p1 

tenho vontade de 
receber uma mensagem 
ou carta
qualquer memória 
mesmo que o mar
longínquo submergisse 
das paredes 
acima da prataria 
de cima abismo
arrepia o braço
a coxa e o buraco
do anus 
gostávamos de rodear
os fogos
e os diálogos
atravessavam os matos 
cresciam os nus 
a correr disparados
de pés escorregadios 
a seca surgia 
no incêndio das matas 
os bichos voavam
velozes com asas esplêndidas 
o entorno esverdeando 
sufoco dos pulmões
calejados pela ordem
natural dos campos 
descobriram uma ilha
que já existia 
descobriram
o espaço
os contornos o corpo
nada entorno
só paredes secura
o estoque de lembrança
diluída pelo
branco solidão 

esperava uma notícia
distante os barcos
ameaçavam os rasgos
bandeiras e vitórias
escassas 
a terra viva
o rosto devasto 
as paredes mais paredes
vim do útero de uma guerreira

atravessamos fronteiras
das almas seguintes 
correndo por árvores 
o mesmo pau exposto na sala
em rijo
secando a mata queima
os retratos 
deviam enviar
alguma imagem
esverdeada
uma mente esquecida
no centro
das paredes 

desbravadas terras 
anunciadas feito virgens 
as matas cresciam e pêlos 
por entre as pernas
feito pantanal 
em tempos de festa
as cores no céu 
no oco dos olhos
os desbravadores
atentos ao abrir 
dos vãos
empunhavam as facas
e bandeiradas 
documentos ilegíveis 
às mãos  

receberia batida na porta 
do endereço 
esquecido
ninguém viria 
eu não estaria aqui
mas é então verdade
que existo

aguardando
poderia descontar
no tempo
enumerações intermináveis 
posso dialogar 
com a hora que passa
a todo leve grosso
aceno do peito
dolorido feito pluma 
pairava no centro
das paredes sequíssimas 

pairando no rio 
a água agita. agora sinto o corpo.
me toque. 
existe um rumo
que não pertence 
ao fim 
enfim um envio 
agora a carta dentro da palma 
arregalo e leio
em tom solícito 
uma mensagem do mar
atravessando as paredes
quebrado meu corpo
sangue
a gente foge! 

aquarela desfigurada 
entrar nas paredes
é ventania na tranca
afiadas as facas

acordo para um sonho
as memórias
retornando 
prefiro dormir. existo. 
estou presa nas paredes
úmidas 
todo corpo quente. queimo
feito papéis
todos foram torrados 
tudo que tinha
não sei porque vim 

Retratos: p2 

podemos percorrer
além das paredes

todas as memórias 

tudo entorno 
pacatas árvores 
plumagens ondulantes 
ríamos das lendas
de um povo apagado
não aqui dentro
do corpo
é que dentro do quarto
não alcançaremos 

Nenhum comentário:

Postar um comentário