café e dores

café e dores

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

notar

vim.
caminho comprido e sutiã no armário.
mamilos apontando.
ponta na bolsa
e um calor impregnado na nuca mesmo nua.

vim sem armaduras.
com sede do líquido que sai de seus poros.
signos de água são perigosos. eu vim.
não deu pra quebrar o tempo de ir embora.

não deu pra cortar caminho. cabelo cresce demais.
a rua toda chamou teu nome. teu número.
eu vim antes do sol dormir. poesia. poesia.
vim o mais rápido que pude
você nem anotou.

4 comentários:

  1. eu queria que alguém lesse as tuas poesias pra mim, indefinidamente, em todos os dias, antes de cada manhã ter que levantar para trabalhar.
    tua poesia é tão bonita que assola...

    ResponderExcluir
  2. "Vim sem armadura"
    difícil de admitir esse tipo de coisa.
    saudades de ler e reler tuas linhas :D

    ResponderExcluir
  3. água apaga o fogo e movimenta a terra, isso de signos me faz até sentir inveja, dos signos e privilégios.
    Saudações.

    ResponderExcluir
  4. A inspiração e sua liberdade... nem sempre conseguimos prendê-la num poema.

    ResponderExcluir