café e dores

café e dores

domingo, 10 de agosto de 2014

XXI

Sonhei com a poesia que eu acabei não recitando
pois você não se interessa por poesias
e todas essas coisas ultra-românticas que te rimam;
tem medo de todo esse devaneio que é te colocar em prosa
porque decorou que nas palavras eu te idealizo, você não gosta
e sabe da minha moléstia que é te reinventar a cada madrugada chuvosa
No sonho eu te borrei com as palavras perdidas entre os lábios
mas se me beija eu deixo em sua boca um pouco de conversa
só porque na nossa estória eu não tenho pressa
Perdida entre as ruas que não me levam a seu destino
conto aos grafites a dureza daqueles que não te conhecem
pois quem ainda não te viu sem essa fantasia
não penetra na verdadeira poesia;
ela está em sua realidade tardia...
Eu toquei suas mentiras, seus segredos e me vi cavada nos medos
porque o amor é tão medonho e enfadonho e tristonho
que rimo as palavras só para te escrever mais bonito do que no sonho

6 comentários:

  1. "e sabe da minha moléstia que é te reinventar a cada madrugada chuvosa" Esses dias chuvosos, ah esses dias chuvosos.

    Me lembra algo que escrevi sobre:isso:

    Caía junto à janela da sala, como em todos os dias de chuva, um atalho irônico às malévolas quimeras dos putos dilacerados. Acendi um cigarro e caminhei até lá. Por minúcia fitei a distância e por pouco não me joguei no sentido das coisas sem sentido.

    Muito boa a sua narrativa! Muito intensa a sua paixão. Parabéns.

    bjs

    ResponderExcluir
  2. ''mas se me beija eu deixo em sua boca um pouco de conversa''...

    awn.

    Só tu mesmo Gyz---.

    ResponderExcluir
  3. Preciso dizer que tu és musical, teu tom é o todo o som que agrada meu coração e alegra minha mente. Estou teu fã e minha alma sã é toda contentamento.
    Saudações.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom dia Gyzelle.. tua imaginação sempre fértil nos proporciona poesias desta magnitude.. muito bem versadas.. adoro como tu as coloca nos versos as enriquecendo-as..
    hj acordei com a noticia que já não esta mais entre nós Robbin wiilians o qual o filme sociedade dos poetas mortos fez e muito me inspirou.. abraços e até sempre

    ResponderExcluir
  5. Bonito, Gyzelle, bonito mesmo!

    "pois quem ainda não te viu sem essa fantasia
    não penetra na verdadeira poesia"

    ResponderExcluir
  6. Te ler definitivamente melhora meu dia.

    ResponderExcluir