café e dores

café e dores

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Eu não quero acordar e sentir que já passei por aqui

Cadê a escrita que existia em mim? Meu corpo em brasas diz que continuar é preciso e o estímulo daquela tarde melindrosa me impulsionou a sorrir. Sorrir com os lábios de serpente, desacreditada e sem veneno. A garrafa de vinho me contou histórias profanadas a cinco ventos, sei dos segredos da noite que se aproxima sem permissão pra entrar nessa casa de poeira esquecida. Eu estou cansada de diálogos fúteis à beira da cama, dos olhares nas ruas que não se esbarram para contar um bom dia. Preciso de um motivo pra pegar meu corpo e soltar no ônibus lotado de passageiros, de pessoas que passam, não quero estar de passagem novamente. Quero entrar na vida de alguém, daquele rapaz que se esconde atrás da barba que espeta minha curiosidade. Eu preciso de um motivo para escrever qualquer merda que me liberte dessa escrita porca. O boteco está me esperando, o seu Tião não virou engenheiro, o trocador do ônibus não quer mais tocar na dor de quem precisa acordar tão cedo. O que sobrou de você, Armando? Cadê seu sonho de ser roteirista? Onde foi parar a padaria que vendia doces no valor de um real? Pintaram o amor de cinza, venderam o circo e construíram um prédio em cima. E eu, eu continuo a repetir as palavras porque a rotina sugou a minha criatividade, esmagou as minhas chances de virar poetisa. Comi todo o doce de leite que estava na geladeira e chorei as mágoas pensando que a lágrima derreteria o açúcar para que a glicose saísse das minhas veias, a adrenalina me faz beber o vinho que agora já se emudeceu. A rua está muito violenta para eu sair de saia curta ou com a ferida exposta, a chuva está chegando e o sono também, só quem não chega é o motivo que eu preciso para acordar amanhã sem chorar (...)

6 comentários:

  1. Bom dia Gyzelle..
    grato pela tua visita e palavras..
    falar do que leio escrito por ti é querer ficar procurando palavras..
    me surpreende a maneira que tu coloca as frases..
    libertando do teu interior possíveis revoltas que todos nós temos..
    abordas situações que eu sei que são reais.. o vinho dos poetas que já tomei e muito outrora muitos versos me deu, muitas feridas tb ajudou a curar..
    ainda espero ver tudo que escreves em um livro.. tenha um lindo dia e até sempre

    ResponderExcluir
  2. O que eu mais gosto na poesia é esta reverberação de percepção e como cada um constrói sua paisagem íntima - amigos que talvez jamais se encontrem; tem uma poeta chamada gabriela richiniti do blog Insanidade Letrada que tem uma proximidade muito grande com a sua; e curiosamente a variação da prosa para a poesia se faz de maneira semelhante - em como a prosa gradualmente expressa um local de onde não se escapa sem que a gente perca alguns pedaços - "Recebi o ineditismo da sentença sem o ânimo que esperavas reviver. Afastei-me lentamente, tentando não macular de razão cada gesto. Eu sabia que tudo aquilo era provisório, que cada momento trazia uma perda em seu epílogo. Havia boas desculpas para uma noite extraviada; talvez não houvesse sequer testemunhas a conferir significância àquela decisão desesperada. Busquei tua camisa entre as almofadas e a abotoei sem pressa. O peito respirava a complicar-se em inquietação, raiva e desconsolo. Úmidos olhos me observavam sem verdadeiro interesse. Como faria com outras pessoas de que gostasse, beijei-te ternamente o rosto e os lábios. O silêncio deixou-se romper pelo baque da porta. Perdera a impulsividade que me teria feito ir atrás e suplicar nada além do teu perdão. Uma lua magra assomara à janela e ela me bastava." (Epílogo - Gabriela Richiniti)

    um abraço

    ResponderExcluir
  3. Essa rotina de sempre, que nunca muda, me entristece. Não há como ter ideias para escrever se os dias são sempre iguais.

    ResponderExcluir
  4. Há sempre uma maneira de sair da rotina, mesmo estando nela.

    Não nos deixemos vencer pelos dias iguais. Façamo-los diferentes!

    Nós conseguimos. Afinal, pra que nasceram os poetas?

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Guria, que texto foi esse?!!!

    ''Eu preciso de um motivo para escrever qualquer merda que me liberte dessa escrita porca. ''

    Se eu disser que foi lindo ler isso, é pouco. Foi libertador.

    ResponderExcluir
  6. Como sempre Genial. Vejo minha angústia em cada linha, meus desejos em cada linha, minha dor e desamparo. Parabéns pela escrita!

    ResponderExcluir