segunda-feira, 9 de novembro de 2020

tudo o que for cavalos marinhos

sob o seu sorriso
uma mandala de crepúsculos
debruçados, os bois bebem o leite
do peito de um jovem cobrador

espelho o coração de uma luneta
e me parece cascalho o gesto
de um manobrista sóbrio

tudo o que for cavalos marinhos
contidos na palavra,
ainda ontem me vi
buscando o seu animal 
nos signos chineses 

e eu nem sei a sua data 
nem sei a sua esquina,
nem sei se me apaixonei pelo
homem ou pela cabra 

Nenhum comentário:

Postar um comentário