segunda-feira, 9 de novembro de 2020

o poema no tom 
dos dentes de um fumante 
parei para te tragar
você talvez comemore só 
ano que vem
ou mêses atrás
ou tenha se esquecido
de que há festa com o que nos sobrou 

ainda hoje eu descosturei
a minha casquinha
ouvia você dizer 
que o amor é como uma livraria 
depois que você tem o livro em mãos
é preciso decidir se vai lê-lo 
ou pedir para embrulhar 

Nenhum comentário:

Postar um comentário