café e dores

café e dores

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

E além das coisas ínfimas dentro da bagagem 
Papel de ingresso, comida envelhecida, 
as vezes guimba do cigarro que a gente fumou sem assistir 

As vezes paro e sequer penso
É que o pensamento cai como um toró de verão 
na ânsia de te falar dessa faísca presa 

Além das luzes de outros prédios 
é possível que veja seu rosto refletido num quadro grande 
exposto na sala do vizinho 

É porque aceito seu tamanho em tudo que couber pensar 

que exista espaço pra parar... 
descansa enquanto a fumaça sobe e o motor aquece 
a chama viva 

Você sabe as vezes morrer
É pequeno


3 comentários:

  1. "As vezes paro e sequer penso
    É que o pensamento cai como um toró de verão
    na ânsia de te falar dessa faísca presa"

    Essa ânsia é água corrosiva, que desentope, ardendo.

    Parabéns pela naturalidade poética!

    ResponderExcluir
  2. "É porque aceito seu tamanho em tudo que couber pensa"
    Esse trecho diz muito pra mim.

    ResponderExcluir
  3. Descobri você! Como suas palavras ecoam...

    ResponderExcluir