café e dores

café e dores

sábado, 21 de janeiro de 2017

sem nome

O corpo se desfez em fragmentos. Era isso que fazia existir a poesia escrita hoje, mas quanto ao tempo cospe os tecidos da pele que morre ao raio do sol, a mancha existia e vazia um novo corpo passar indiferente, mas os sabia sim era um pequeno pedaço de cor ali nascida. O corpo se desfaz em meus braços, o próprio corpo sim coberto de pelo e mancha. Dia seguinte. Vejo e não tenho olhos. Envergo as curvas da sobrancelha quem diria é o que passou. Foi um susto. Tremi e senti a fraqueza dos ossos em pânico as chamas, o ardor do verso oral. É como um breve sonho 

inominável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário