café e dores

café e dores

terça-feira, 21 de julho de 2015

esquiva

eu estava virando a esquina
eu estava virando uma esquina mais esquiva do que os seus lábios
eu virei a esquina tão rápido que parecia estar fugindo do vento
cortando a esquina ou o meu fígado com uma garrafa de vidro
depois que eu bebi todo o dinheiro que tinha pra passagem

há tantos 
de passagem em mim 
que virar a esquina não é o perigo
eu virei a esquina sozinha
mesmo virando
a melhor parte de mim
depois da bebida

eu fico esquecida
então viro esquiva sem virar pra trás
evitando voltar ao início da esquina
onde deixei você e todo o meu dinheiro do cigarro
da próxima bebida
e da passagem volta
porque só tenho no bolso a de ida

5 comentários:

  1. A entrega. Fiquei sem fôlego. " há tantos de passagem em mim " Me encontro aqui

    ResponderExcluir
  2. Pude sentir toda a agonia do eu-lírico expressa em palavras milimetricamente ordenadas e que dançam com a própria música que criam.

    Raro de se ver.

    Parabéns Gyzelle!

    ResponderExcluir
  3. Teu poema tem um pouco de cada um que te lê, e te muito do que te satisfaz dizer ... se eu fosse um grilo falante, diria que: " a ida não é ainda "
    Abraço.

    ResponderExcluir