café e dores

café e dores

terça-feira, 27 de março de 2012

Quem dera ser um manequim

Queria ser um manequim, parada, de forma elegante e esbanjadora. Veria pessoas gordas ou magras demais passarem almejando meu corpo. Minhas roupas seriam impecáveis, para cada estação surgiria um novo traje. Vestidos graciosos entrariam em sintonia com minha palidez, diamantes e pérolas seriam parte integrante de meu figurino. Se eu fosse um manequim em todos os lugares estaria, todos me enxergariam. Modelos teriam inveja de mim porque não faria dieta e continuaria assim, tamanho único, pois seria manequim. Eu ficaria estática atrás de um vidro sem falar. Estaria livre do que chamam de amor, só poderiam minha estrutura de plástico arranhar. Não haveria defeitos, por mera consequência não teria pai, não precisaria de mãe. Só existiria eu, uma boneca sem vida trancada atrás de um vidro impermeável a sentimentos, condenada a décadas de moda.

Como queria ser um manequim

Nenhum comentário:

Postar um comentário