café e dores

café e dores

sexta-feira, 30 de março de 2012

A primavera roubou minha vida

A leve brisa alisa meu rosto nesta primavera, é bem provável que ela queira levar um pouco da beleza que resta dessa pele cansada. Sinto como se estivesse sendo sugada, como se o que me certa estivesse levando todas as forças que restam neste corpo. O vento está impiedoso nesta tarde, quase que arrastando. As folhas velhas da estação caem secas, como eu. O vento alvora os cabelos fazendo com que alguns até venham em minha boca enrugada, de repente começa a chover no velho parquinho, a chuva lava meu rosto e consigo sem permissão leva as lágrimas.

Meu rebelde peito começa a tremer fazendo com que a camiseta encharcada siga o ritmo acelerado. Os pés esfarelam as folhas enquanto meus olhos inundam-se, passo a língua sobre os lábios, umedecendo mais com a saliva. Meu rosto estava completamente borrado de preto: consequência do forte lápis.

Sinto forças passarem por mim, acalentando-me, como se eu fosse uma criança que acabara de se perder dos pais, inocente e órfã de carinho. Sento-me no velho banco de madeira, milhares de fotos passam pela cabeça trazendo a infância calorosa e esquecida, deito-me cautelosamente no mesmo fitando o céu tristonho e cinzento com os olhos embaçados, fecho-os e ali adormeço esperando a primavera ir embora para que o verão traga novamente minha vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário