café e dores

café e dores

sábado, 14 de outubro de 2017

Luz

Da boca salivava  
o sabor da noite deleitosa 

Do céu pichado 
aqui de baixo
As lentes eram longas 
projeções da neblina 
do dia - que 
pulverizava cor 
em nossos corpos assados

era bom tropeçar 
nos ramos 
e descobrir 
as fendas naturais 
do tempo

As folhas brigavam por entre 
os sons da ventania só 
de primavera solta 
Era bom desfrutar 
da sombra antiga 
esquecida 
no canto do parque azul 
Era bom estar no azul 

As coisas possuíam um 
cheiro agradável 
quase doce 
enquanto os beijos 
estalavam secos
na bochecha 
na hora da partida 

Era bom poder falar de amor 
com tamanha liberdade, 
sorrir até doer 
alguma coisa 
lá dentro 
da barriga gemendo 

A gente cria um destino 
melhor pra desconhecer 
os perigos,
E agora encontra uivar 
a noite toda escura e acesa

Vejo uma onda 
aqui de baixo 
o céu parecer afundar, 
as longas horas dormidas

Parece que o sonho é 
uma fantasia 
imperdível, 
não morre, 
esquecendo de acordar 

Parece algum roteiro 
Prescrito nos signos 
que as estrelas 
indicam com as mãos 
Alguma coisa 
há de ser 
tão doce 

quanto o brilho da noite 

Nenhum comentário:

Postar um comentário