café e dores

café e dores

terça-feira, 2 de maio de 2017

parte da liberdade é abrir os braços e segurar o corpo inteiro

sobrevoando displicentes
mãos são passarinhos
se fosse ninho a redoma
de amor e cristal
berraria sobre a pureza
estreita de governar teu rumo

decolar em praia desolada
por amor tão livre
tudo transparente
as águas batendo nos pés
o som que viria do movimento
que os corpos reproduzem
em êxtase no verão

logo o resgate levaria
os corpos afobados
navegando em mar aberto
tão imensidão a paz
dos piratas a nos roubar
as vergonhas todas

em mergulho resistiríamos
ressaca dos Monstros noturnos
Salgado choro dos botos
tragédias dos Deuses marítimos

transitaríamos na onda
restante da areia abraçando
os corpos afogados
as palmas soando
tamanha paz
que ecoa

2 comentários:

  1. Tu é total e natureza, o que nasce de ti é a conjugação de tudo; verbos, vontades ou necessidades. Eu gosto da tua condição de mundo.
    Saudações!

    ResponderExcluir
  2. Lembrei Cecília Meireles e foi bom demais!

    ResponderExcluir