café e dores

café e dores

domingo, 14 de maio de 2017

banais p. 1

hoje não li

nem ouvi um disco 

transei 

saí


no entanto sento 

no canto da cama

pra escrever poesia

como discreto desvio

das rotinas intermináveis 


apontando sutilezas

ao lado de fora

como quem

sabe o samba 

pernas imóveis 

nem troquei a calcinha 

ajeitei o jantar

de fome indefinida


poesia 

infinda 


hoje sentada

a escrever o que 

a boca é incapaz

de traduzir

as palavras inteiras

acessíveis de fugir 


então escrevo

pra aliviar

desassossego 

do silêncio paralisia 


se fico sentada

olhando pro nada

sou capaz de sumir


registro 

aqui 

hoje o dia

foi tão rápido

mal o vi 




Nenhum comentário:

Postar um comentário