café e dores

café e dores

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

título provisório pro amor

o amor me tirou da cama
extraiu a armadura de sonho
e enfiou o dia goela a baixo
ardendo, suplicou um banho
o amor marca nas partes macias
expulsando dureza que achava possuir
e esse coração tem validade
mas o amor...

ah, o amor não tem hora
me atrasa e me retém mas tarda tanto
que de súbito recordo não saber amar
mesmo que o mar esteja a quinze passos
e tenha aprendido a nadar na prosa
de braços largos

o amor fez insônia
e também manchas
anoitecidas
no contorno dos olhos
aspas em discursos embargados
sob luz da lâmpada
mas amo o sol
mesmo que não saiba amar
só por querer morrer
em dia morno de céu azul

esse amor paira
no cálice do peito
e indaga sobre o ritmo da poesia
que move
mobiliza
e desvia da cama
no dia azul
o amor é manso igual milagre
e tão salgado que estou sedenta
cada vez que choro

ah, os olhos, o amor
está conservado ali
inerte e furioso
aguardando amanhã
com expectativas de tempo aberto
e tudo azul

morrer no mar
amar e cada palavra
afogada
nada
o amor doce é rio de lágrima

Um comentário:

  1. Tu é arquiteta, tu vê a vida em plantas. Eu gosto e gozo essa flor de força, que da tua poesia nasce. Amo, essa tu indiferença de veludo, amo o teu dourado no piano.

    ResponderExcluir