café e dores

café e dores

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Onírico

sobrevivendo a partir das cápsulas de tarja preta eu tento escrever
os objetivos de vida que nunca possuí pois
só desejo mofar em cima da cama
ocupada por essa solidão
salgada. Espaçosa. Cretina.

e eu que comprei mais três livros para essa estante lotada
peço perdão à solidão
que me invade
e decepa algumas lágrimas foragidas do holocausto
vivido dentro dos olhos cor de madrugada

nas noites em que o bicho entra pela porta sanfonada
fecho a alma para não ser roubada antes de dormir
e ainda luto contra os monstros invasores dessa minha calma mas quando vejo
a cama bagunçada pela manhã penso que não estou tão sozinha

Guardo a poesia em mim

viver editando palavras é censurar a liberdade
não há pássaros saudáveis soltos pela cidade
e o Cristo está de braços abertos desde quando eu prometi publicar
as páginas de nosso romance banal nos muros de ruas silenciosas
pois renuncio a eternidade carnal

Não há felizes para sempre afinal

2 comentários:

  1. Teus poemas tão cheios de sentenças... Eu me abrigo nas linhas dessa loucura nada comedida.

    ResponderExcluir