café e dores

café e dores

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Luzes da cidade

você me diz que o sol vai se pôr 
e eu recordo que há um oceano
tão frio e medonho 
dentro de seus braços 
me submergindo
que temo não sair com vida
consigo ver a luz da lua na parede 
do meu quarto
mas nem há lua hoje

quando os vagalumes aparecem 
a chuva molha um pedaço de mim
mas eu não choro alto 
só a tempestade cai

sonhos dormem
e temos que acordar o coração
exausto no café da manhã 

quando você se perde dentro 
da noite clamando que haja
algum culpado pela 
nossa solidão 
é quando eu existo

há licença poética em seus olhos
mas quem tem tempo pra poesia afinal?
quem repara no desassossego dessas palavras  gigantescas? 

quase todos os parágrafos reparam
nossa poesia é marginal em um mundo
ocupado por gramáticas 
e olhos calculistas 

eu vejo a luz da lua na parede 
do quarto 
mesmo sabendo que os postes 
da cidade mentem pra mim

título: música do Marcelo Camelo e nome de um sebo em Botafogo

6 comentários:

  1. Você vive no desassossego das palavras gigantescas e naquelas que nem são ditas. Teu existir é mais brilhante que essas luzes da cidade.

    Bjoo'o

    ResponderExcluir
  2. "quando você se perde dentro
    da noite clamando que haja
    algum culpado pela
    nossa solidão
    é quando eu existo"
    A síntese do poema como o entendi...
    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. "há licença poética em seus olhos": genial!

    ResponderExcluir
  4. Sempre leio teus poemas com o coração na boca. São intensos, reais, sou eu nisso tudo.

    ResponderExcluir
  5. Sempre quando preciso de poesia, inspiração, pra conseguir elaborar o mecanicismo e desamparo dos dias, venho aqui. E funciona!

    ResponderExcluir
  6. Todas as luzes da cidade cabem nos teus olhos, no teu amoroso poema, todas as luzes cabem em ti e minha admiração, também!
    É sempre bom te ler, acho que já gosto bastante de ti.
    Saudações.

    ResponderExcluir