café e dores

café e dores

sexta-feira, 13 de março de 2015

assassinando seu nome na sexta-feira 13

existo distraída entre o mundo dos loucos
e das histórias com vilões vestidos de lobos
vê as cartas postas na descarga?
sou eu descartando o romantismo 

fumando um maço de angústia
assisto a minha pele esbranquiçar
como se por acaso temesse morrer
e grito que não temo a morte
mas quando a neblina cobre o céu os meus olhos
gentilmente choram

cantigas e bilhetes me comovem tanto quanto mirar nessa montanha segurando 
Cristo nas costas
quanto mais eu fujo
mais fico
e ficar eu não quero mais

existe dor e flor nas rimas espalhadas nos cantos da boca
escorrendo dentro da privada
molhando as pernas
abrindo espaço
dentro de um coração estático

3 comentários:

  1. Quando não é, assassinar a razão, de a poesia não ser o nome do que te move ... todo o resto pode morrer, qualquer nome não existe quando você não sente, deveria a lei dizer que não há crime nisso, Viajei, mas gosto de viajar nas digitais desses dedos, que contam mais histórias que tua voz irônica, contaria.
    Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  2. Perdão (ou não), mas esse ar de sexta feira 13 combina contigo.
    Fantástico!!!

    Bjo'o

    ResponderExcluir
  3. *comentar o meu silêncio*, purpleheart

    ResponderExcluir