café e dores

café e dores

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Fez-se mar

acordar com o cheiro de piscina vazia
e do sangue coagulado na pele deixado pelas muriçocas
há uma floresta ao lado da cama
e pão requentado na mesa da varanda
existe muito mais vazio em mim

o balanço do corpo em cima rede vermelha
e o meu amor estendido
enjoado
quase implorando sombra
porque esse sol do Rio é coisa de quem não tem medo

eu não sou feira
mas vendo uns sorrisos quase baratos
na rua da praia sem número
as cartas não chegam aqui na ilha

mas há depois da meia noite uma Lua enferrujada surgindo
atrás do pico de papagaio
ou em um desenho torto no braço
quase tímida
corada
sob o cais que balança de novo o meu coração

o céu nunca foi tão bonito quanto ali
eu dei o seu nome a todas as estrelas que cantarolavam saudade
e foi impossível não notar a simplicidade de morrer em mar aberto
possuindo contudo um coração fechado
mas estou aqui utópica escrevendo poesia sobre a ilha
sobre o meu amor embrulhado
é tudo ânsia
seja culpa do mar ou da vontade de amar

*o título é nome de uma música dos Los Hermanos

7 comentários:

  1. Lindíssimo, delicado, vi musicalidade e cadência no seu escrito.
    Ps. muriçoca atrapalha qualquer noite rs

    ResponderExcluir
  2. Aliás, já havia percebido certa predileção por Los Hermanos, não só aqui mas em outros textinhos seus... É poesia dobrando poesia. Tudo muito bem enlaçado...
    Um beijo de brisa pra ver se refresca um pouco por aí!!
    ;o)

    ResponderExcluir
  3. Ótimo! Muito bem construido. Imagens bem distribuídas e bem feitas. Estilo marcante e bem definido, original. Gostei, Gyselle.

    ResponderExcluir
  4. Sempre me encantam imagens cotidianas, simples. Você traz algumas delas e eu leio conseguindo me imaginar no balanço da rede, sentir o ar quente e essas sensações todas que só o amor nos faz. Uma escrita muito bonita e muito bem construída. Deixa bem próximo do leitor todo o sentimento que carrega e não existe qualidade maior que se possa ver em um poema.

    ResponderExcluir
  5. Você gosta de Los Hermanos? Bom, com a tua poesia tão profunda, seria mesmo estranho se não gostasse. Eu a-m-o.
    Você é digna de tudo isso, até mesmo da tua dor que, juro, nunca vi mais bonita. Eu te vejo sangrar por linhas tortas, sem lestras maiúsculas e nem pontos finais. Realmente, você é utópica, mas totalmente incrível.

    ResponderExcluir
  6. foi impossível não notar, que você faz a gente respirar e se afogar nessa onda de versos perfeitos, como toda a vontade de amar que se arremete no teu peito.
    A força e a leveza, também vivem em tua poesia e eu gosto de sentir.
    Obrigado.

    ResponderExcluir
  7. "Realmente, você é utópica, mas totalmente incrível.", Citando palavras da Carol Russo.

    Gyzelle, ver da coxia faz a peça ficar ser bonita.

    ResponderExcluir