café e dores

café e dores

quarta-feira, 1 de maio de 2013

primavera adormecida

O sol gira em torno dos seus olhos
Olhos estranhos de tanta boniteza
E brinca com a alegria momentânea
Ofertando-te uma dança da primavera.

Você é minha primavera!
E eu fiz um jardim em sua homenagem
Flores tolas e encabuladas.

Toca uma canção de ninar
E eu novamente sinto meu coração pulsar fortemente
Você sorri da minha embriagues de amor
E aparece borrachinhas azuis em torno desse sorriso de criança
Invejo-os com a força de um meteoro sem rumo.

A escuridão chega silenciosa
Ela teme que você a rejeite e vomita estrelas incandescentes
E a lua aparece recitando réquiem de morte
Mas toca gentilmente uma valsa e ela chama para bailar

Com pouca serenidade
Abandono a filosofia da presunção
Suplico que fique
Confie nesse castelo de sonhos que tricotei nos dedos para você
Traçados no escuro quente e gelado
Noites que me adoeceram

Uma canção dormente
Somos espelho de uma vida errante
E serei enfermeira dos medos morfinados
Ânsia do beijo em sua nuca suada de perfume amadeirado

Você é sempre tão triste e cheia de névoa
Numa estrada efêmera almejo seu corpo débil
Fantasio uma cortina tênue de felicidade
Segure minhas mãos vazias
Cantando novamente breve canção de ninar
Faço sua dor abrandar

Nenhum comentário:

Postar um comentário