café e dores

café e dores

sexta-feira, 19 de abril de 2013

O diploma

Sobressaltada por um gozo de memórias
Queima essa lacuna que me faz escrever,
Eu não creio no que vivo
Vivo escrevendo o que creio
E na filosofia da imensidão de palavras insanas
Eu zombo da minha agonia.

Que desculpe-me por esse poema falho
Por um mundo tão errado
E eu aqui errante
Errante, solitária e triste.

Escrevendo,
Um parágrafo a mais e respiro aliviada
Uma página em branco de uma vida borrada
Uns sonhos destroçados
Por um mundo tão errado.

Eu não conheço a mim mesma,
Escrevo e acabo encontrando a face fêmea,
Findo sabendo da abstinência de paz
Grades por toda a parte me impedem de gemer

E eu só quero que essa tristeza aqui dê um tempinho
Eu imploro que ela procure outro caminho
Dou passagem, canto e escrevo
Mas ela não quer arredar o pé

Gírias de uma mulher diplomada
Bacharel na própria dor
Presidente de uma corriqueira desilusão
Condenada a viver sem ópio, em vão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário