café e dores

café e dores

quinta-feira, 13 de abril de 2017

amem

deixando a poesia no mundo como se fosse aquele susto hino de misericórdia ou uma carta extraviada do destino pois a minha identidade é anônima


a cor do esmalte desbotou enquanto roía o tempo líquido e as palavras distraídas se transformaram em oração


amem amem


deixo os rabiscos no armário pois só creio no descanso que almejo desde a primeira falta de rima no planeta de homens evoluídos

não há mais chances de viver em olhos rasos mas se a maré sobe o dilúvio cai arrastando discurso sobre a seca no coração de quem naufraga no planeta terra

somos compostos por água, poesia e despedida quando a ferida exposta gera matéria prima então exponho ao sol um pouco de rima mofada para suprir a sede que a poesia desconhecida tem de se afogar de pavor no amor

amém

(2015)

Nenhum comentário:

Postar um comentário