café e dores

café e dores

terça-feira, 21 de junho de 2016

Nu

A luz que atravessa as vidraças
É o sol a te revelar o corpo
Narrando a tempestade em marca
De uma pele miragem
Desnudando passagens
Transeunte à margem

No cenário de uma exposição
Suas curvas na moldura de um quadro
A sintonia das cores em rima
Liberdade se transforma em melodia
Monumento
Seu corpo é obra-prima

Artista, musa, performer: Lídia Orphão 


3 comentários:

  1. Um corpo ou um poema, pelo qual se sente o gosto é sempre uma obra definitiva, eu sempre penso assim com relação à ti e aos teus poemas,vocês sempre se fundem e se confundem, ainda que eu não tenha provado o gosto, teu,
    além dos teus poemas.
    Obrigado pela visita, e
    um bom resto de semana.

    ResponderExcluir
  2. Te dejo mi blog de poesia por si quieres criticar gracias.
    Me gusta mucho el tuyo.
    http://anna-historias.blogspot.com.es

    ResponderExcluir