café e dores

café e dores

quinta-feira, 26 de maio de 2016

um mês tem dias tristes

mais de trinta
muito mais de trinta
mais de uma
todas, todas submetidas
mais de trinta abusos ao dia
e a indignação
é vista como caso de histeria
todas, todas submetidas
violação
argumento pra punição
mais de trinta denúncias
e nenhuma solução

2 comentários:

  1. estava lendo com calma seus textos... esquece-los para ficarem com aquela sensação de reminscencia... gostei muito deste texto e traduzi-o para o frances. estou pedindo autorização para publica-lo em meu blog (com os devidos creditos mais link original)... se julgar indevido sequer publico... quando a gente se da conta de quem alguem, particularmente, olhou algo de um jeito particular... o corpo da obra se dá na incidência e e bela insistência do poeta, alguns insistem mais do que os outros, dando a tensão (incluso em suas vidas)... as vezes a intimidade só chega muito depois porque na
    pressa da interpretação tudo tem desejo de autoexplicação... na maioria das ficamos apenas com o gosto estético, fruto de nossas escolhas pessoais, mas isso não é poesia ainda, porque na verdade no fluxo intricado e ritmado há idéias que tentam elas também se transformar em um fluxo... assim temos a obra...



    les morts assez laissent choses en arrière
    cette avenue paradant tristesse
    et le flux du sein prompt cédante
    est un incendie comme ceci glacé
    que je ne me sens ici guère
    par la cherche d'un diagnostic en détour
    qui proposait une autre parcours

    verre fumé
    ruiné la pâtisserie de ce japanese
    voir si vous me trouvez
    l'avenue principale est très grand

    tous à rio de janeiro est carnaval attente
    mais depuis hier, je pense et me souviens
    et je pense que je ne sais rien

    je ne vous écris pas pour vous
    ni pour moi
    celui-là
    est comme un naufrage
    de quoi
    intérieur
    avant-
    garde

    [original]


    mortos deixam muitas coisas pra trás
    essa avenida desfila dor
    o trânsito do peito acelera cedendo
    é um incêndio tão frio
    quase não me sinto no rio
    buscando um diagnóstico pro desvio
    que propusesse quaisquer outro destino

    vidro fumê
    pastelaria falida do japonês de boné
    vê se me encontra
    voluntários da pátria é grande demais

    todo rio de janeiro aguarda o carnaval
    mas desde ontem que penso e relembro
    e acho que sei lá

    eu não escrevo só pra você
    nem pra mim
    isso
    é como afundar
    assim
    bem fundo
    lá dentro
    pro-
    cura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fique a vontade para publicá-lo, é um prazer que apareça por aqui e deixe lembranças.

      Excluir