café e dores

café e dores

segunda-feira, 9 de maio de 2016

alguma prosa há de surgir
e desbravar meus mares
assim depressa
antes da pose na foto
pro quadro
naquela hora imprecisa
ferindo contudo
assim bem rápido
só com o medo na ponta do dedo
no centro do umbigo
quase perdida sem amar
a prosa surgirá
mesmo que encolhida
sem pausa pro almoço
fumando Malboro
na porta do bar
bela
endereçada
com a boca pintada
aguardando a hora certa
de se amostrar
como um monumento
uma peça em liquidação
sem juros de graça
a prosa está fadada
a mofar num caderno sem pauta

4 comentários:

  1. lindo e muito apreciável! bebendo poesia...

    ResponderExcluir
  2. Eu amo teus sonhos,amo a poesia nos teus sonhos,você é uma inspiração sem transpiração, e eu ate amaria que fosse, mas não é, e eu nem sei se oque desejo é a poetiza ou a mulher. E é isso.
    É sempre um privilégio sonhar contigo e te ler,
    abraço.

    ResponderExcluir
  3. Nunca sei o que dizer sobre os teus escritos. És maravilhosa.

    ResponderExcluir