café e dores

café e dores

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

meu coração também não é de carnaval

se é de amor ou resignação que se vive, eu deixo a minha poesia no mundo como uma carta de suicídio e tento escrever o que me agonia botando a culpa no sol ou no pior signo do zodíaco. ninguém vê os meus olhos tristes quando a garoa aparece de repente molhando gente com fones de ouvido tentando disfarçar o choro da rua. todo o carnaval manchou a pele da morena e os padrões estão em vômitos de banheiros aferrolhados. há descaso em semáforos e o sinal está vermelho para cada homem que quiser entrar em mim em alta velocidade. falo demais das cores e de poetas falecidos. há mistério nesse planeta de seres racionais. tento alertar sobre o amor em cada sílaba aguda, suspiro ou olhos exaustos. tem muita multidão em volta da desgraça de quem reza todos os dias antes de cada refeição. eu tento agradecer mas outra vez reclamo e penso sempre que o mundo poderia acabar enquanto durmo no leito de sonhos insones. minha carne não é de carnaval, sou escorpiana com todos os males do signo e possuo enterrado no peito uma bomba pré-histórica. nossos horários estão alinhados diferente de nós e laços.
quando é que acaba o verão?

7 comentários:

  1. Intensa como uma escorpiana. Legítima entrega de si nessas linhas que parecem opacas, mas não são. Elas tem cores tão fortes quanto o calor do teu Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  2. Gyzelle
    Profundo sentir nas palavras a comporem um excelente texto...
    Adoro o seu blogue...
    De certa maneira tem algo com que me identifico...
    Beijinho e um bom fim de semana
    Maria

    ResponderExcluir
  3. Gyzelle
    Profundo sentir nas palavras a comporem um excelente texto...
    Adoro o seu blogue...
    De certa maneira tem algo com que me identifico...
    Beijinho e um bom fim de semana
    Maria

    ResponderExcluir
  4. Espero que esse verão acabe depressa. Sem isso, não tenho primavera... rsrsrs...
    O amor em grande velocidade nem sempre dá bom resultado. Por isso, o sinal vermelho talvez seja mesmo aconselhável...
    Adorei o teu texto. Bem escrito e com muito sentido de humor, sem deixar de referir grandes verdades.
    Boa semana, querida amiga Gyzelle.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. (Oo agora sem erros absurdos de português).

    *Olha, Gyzelle... não sei qual é o tempero dos seus escritos que mexe tanto com meu paladar. Suspeito que seja a intensidade, essa em desuso nesses tempos superficiais. Mas, prefiro deixar nesse vão da compreensão, fica mais romântico, mais bonito o mistério. Só sei que me prende e me sacode e me bota de cabeça pra baixo (ou será meu mundo de cabeça pra baixo?). Enfim, a cada linha que fico no rastro do fim, hipnotizado, magnetizado - porque parece que as letras até saíram de dentro de mim - fico me perguntando "por que é que tem que ser assim?! Por que cargas d´água tem que ser assim?!"

    Parabéns pelo seu trabalho, seu blog é um dos meus preferidos!
    Bjs

    ResponderExcluir