café e dores

café e dores

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

última parada

cheiro perfume canto da rua
enquanto sem graça
o equívoco
me leva a outro corpo
que almejo ser seu 
passo brando
retorno à memória
beirando essa distância
predestinada pela história
que jamais vivemos
riso sem graça
avanço, mantenho
os
passos
e acho estúpida que o descuido
possa cruzar seu caminho
colidir nossos corpos,
confusão da rua tu pára
o pensamento e me vê
apressada suando de frio
calor, hora do almoço
você
passou?
seria qualquer uma
o motivo minha mágoa
o orgulho dos ombros erguidos
repito palavras
mudo de calçada
vazia
você também sorri
assim esticando o lábio
pro canto
pressionando a pele
na parede as folhas subindo
os troncos e curvas
desvio ali
seu sorriso
virando a esquina
parei por aqui 

Um comentário:

  1. Belo!
    Você mudou seu blog de nome.
    Que bom que te encontrei.
    Abçs.

    ResponderExcluir