café e dores

café e dores

domingo, 18 de dezembro de 2016

Condução

Caminho pelo vale distante
Rochas úmidas retiram 
essa estabilidade 
dos dedos 
Enquanto a ponta dos espinhos 
cravam gravuras arbitrárias 
pela pele ressequida
acumulada de sol e sal

Enchergo o riacho ao longe 
só os olhos a mirar 
mas tudo em volta desacredita 
Caminho seguro as pontas
sem as rosas cor do sol 
agora se acumula até 
aqui dentro 
onde a epiderme não alcança
Os rios saborosos criam nuvens 
e chocam o calor de tal 
vista falha insiste
ver água

Caminho como se ir fosse preciso
Transatlânticos automóveis a
bicicleta do banco laranja 
tem vezes 
que é preciso parar
Devagarinho 
Enquanto fluxo tranquilo segue e 
os pés os olhos essas marcas são 
este 
Caminho 

Um comentário:

  1. Sempre original, como a natureza parindo as estações.
    Boas Festas!

    ResponderExcluir