café e dores

café e dores

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Avelã doce

Cansei de escrever sobre o vazio e resolvi poetizar sobre seus olhos. Escondido atrás de sua íris existe uma galáxia inteira, cheia de profundidade fria, onde mergulhei nas vezes em que me perdi tão calculadamente e eu às vezes acho que deixei alguns pedaços do que sou dentro deles. Estou terrivelmente incompleto e tento decifrar o mapa de seu olhar em busca do que até hoje nunca encontrei, mas este é um labirinto perverso que anestesia minhas chances de lucidez. Se for para dizer qual é a cor de seus olhos, falharei mil vezes pois nunca descreveria com exatidão a imensidade de boniteza que neles habita, acredito que foram pintados inspirados na cor do sol refletido em uma avelã novinha e fresca, ainda pendurada numa árvore torta, cintilante de tanta vaidade. Eu me pergunto porque esses olhos choram com tamanha frequência, eles que são amplos se tornam menores quando você está triste e entristecem também, mudam de aspecto, isolam-se na angústia que te vejo guardar como se fosse um amuleto. Cultiva as coisas que não te fazem bem e essa é razão da sua insensatez, sempre desorientada caminhando a passos arrastados por entre ruas cinzentas, sem saber o que esperar da vida e me olha com desdém de índia, evitando esse rapaz vazio como o deserto. Sorri, mascara a solidão e se diz feliz quando o sol queima suas costas nuas, quem sabe um dia eu me torne quente o bastante para aquecê-la, queimá-la e me derreter para fundir minha alma nesse corpo dourado e enfim eu consiga tomar esses olhos pra mim, roubados e quentes.

5 comentários:

  1. ''Cultiva as coisas que não te fazem bem e essa é razão da sua insensatez''

    De uma complexidade muito poética. De uma dramaticidade que não me lembra drama.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Minha amiga, a última frase foi de arrepiar e digo para ti que foi tocante. Minhas alma foi tocada. Apareça sempre que puder, um fraterno abraço.

    ResponderExcluir
  4. Com palavras eu não conseguiria exprimir a gratidão que tenho pelos comentários que vocês postaram, isso sempre me ajuda a escrever mais. Essa prosa foi inspirada nos olhos da pessoa que me deu inspiração.

    ResponderExcluir